4.12.14

de Afrodites

afrodite é autodidata do amor e pratica da lavanderia uma pirofagia que dá pra acender de baixo da pia de uma sina lavadera-quem-me-dera um litro de guerra e de guelra mergulhada em querosene quero-Zênite e Querô a marca do lar na cara de quem me queira quem me dera uma língua de chama de quem me chama do alto do Olimpo que eu limpo quem lava costura cozinha? mas não passa não passa não passa essa corzinha de gente que lava que passa e cozinha mulher de amor afrodite que de dia passa e de noite fadiga e de dentro encolhe quando a vida atrofia um pouco de lustro que seja almeja e espera no centro oculto da esfera que esfrega e passa como uma fera que lava de fogo dentro e fora da atmosfera denegrida de grinalda e fralda de pano pra lavar a boca suja da cândida alvura sanitarista das noites brancas diarista dentro da lotação dormindo sonhos abrigando gentes atravessando pontes assumindo dívidas dividindo quartos com terços e quintas feiras fazendo correr carrinhos cheios de frutas furta-cor pra dentro da casa que cozinha pra fora de dentro pra fora afrodite cospe lavaredas de fogo-açúcar no pote cor negra de amor-em-conserva 

3.12.14

de Fim de Feira

                        Toda a particularidade de uma fruta
             Tangerina dividida ao meio -
                                   faca
                                   goma
                                         e
                                            micro-gotas-películas
                        nas mãos-calo
                               sob os olhos-caveira
                                       a vida é veneno

                   e só
                             
                                              socialight bagaçavel

                         o EU-gostoso-alaranjado
                                                 quase a cor de uma chuva ácida

                                                                   por que cantamos sabor?
                                     quando a boca-banga
                                                                      de banguela
                                                                só se morde-se

                                                           Sé-denta

14.10.14

de africanias

            ÁFRICA
      que nunca pensei em ti
     COMO UM GATO
      quando já te pensei
                que não mias
                mas querer  ia
                   african-
                    -ias
           


 como uma unha-de-gato
             que verdeja
                                acima
             e   em    baixo
                                    relevo
                                      revela
      que eu jamais te pensei
 (como em nosso gato Aquiles
)   -  lembra? -
                           depois que morreu
                                                    nilo e tímido
e de
         botas   -   na lua.




                         e é frequente pensar assim:
                                         
       gato e continente do tamanho da paisagem

7.10.14

de fasciNação

A s s a s s i n a ç ã o
dançantesca numa noite contínua
                                                            infusa num vórtice
em todos acampada
                                                - tromba d'água -
a madrepérola engasgada pela palavra mais atraente
                       adaga nômade
                na boca
de toda uma nação-espécie
 - rio de setembro de
heráklito sambando
    de rir de novembro
depois de outubro
     de maio francês
de outra comuna
      de ritos janeiros
depois das promessas
      descontas em junhos
 de mês em um dia
      de dia... ser pária -
aCarnaValizAssassinaçãoSomenteÁgoraEstadoEnação

digo aos amigos:
(trombetas de quem jazz em silêncio no tumulto da folia)

28.9.14

de VoliaZlahodaDobro

Ex-
Carro
carroça
{homem ou bicho puxando a coisa}
correria
            e andando
                     e correndo
                              e roça
                                                                cúspide nnnnnnnnnnn(na cidade)

                       s  t  r  e  s  s   -
                                                doença dominical

na largura do vem-vai
                                         fica a folha
                                                              ou
                                                                leia
                                                             ou
                                                         coma

                         se nem lancinante
                                                                  nem óbvio

o ovo duvido
             do vidro resta o caco de um cocoricó
                                       de novo óbvio
                                                       - mistério ucraniano-
                                                         Clarice!
                                                                     Clarice...
                                              flor e afogamento
                                                     recife e o indizível

                         nos escondemos atrás dos nomes
                                           e do que ninguém mais também


6.8.14

dès notre nudité

Toda Nudez
          Aparenta Ser Nua
   Mas Nenhuma
                           Aspira
                                       As Folhagens
        Quando Ventos Se Trocam
             S U P R A T Â N T R I C A B R I S A
Aberta A Camisa
                     Deixo Que Um Bonsai De Figueira
                     Me Morda O Coração-Divisa

Pra Toda Nudez
     Há Uma
Aparência Nua
        Mas     Nenhuma
                                É
Apenas Uma

Floresce Por Baixo De
                       Uma
                              Camisa De Uma Flor-Brisa
     
Perde
             A Escura Toca
                          Esconderijo-Ideia
                                              Quando Se Troca
                                     O Segundo
                                                A Segura         Mordida

25.5.14

de VORA

INCONCLUSA
todas as palavras no voo
                     alçáveis
                            com o peso
(suave)                         da gravidade
                      e da contradição
  de uma e outra                     A  ASA
                                   que gravita em torno
                                                            da boca
                  e dos nomes das coisas
                           e da ideia-músculo
                   QUE O TEMPO
        com mais ou
                            menos
                                    tic-tacs e
                  sotaques
                        aquém da vontade DEVORA
          deste mínimo
                   desde o começo
                      até agora

18.5.14

de 4 por dois



Inteira numas

duas Meias
              Três quartos
 de quatro

 - um quarto minguante e
uma infinidade de afrodites e afazeres

17.5.14

de Tsampa

a cada
       passo
         respiro
te trago
     por dentro
                                                     aberto
concreto policéfalo dentro de mim (deixo
que a cidade toda exista aqui
) ruas

sem saída    toda a largura de uma avenida
                                                                íntima

que eu ainda te espero nessa esquina de dentro
trés-pedi, mon amour!
ou os amigotaurus compatriotas da ladeira cadente
      solidão labiríntica
enfileirados    e   dobrados  aberto aos cruzamentos
                                                                  de um café

tudo aqui dentro -

                             a losna que são os teus olhos
                             que então rondam almofadas
                             minha cidade que me habita
                             perpétua     branca    e   sangra
                             outono que carece de aparência

                             as raposas cheiram seu sovaco -
                             sempre tens escrito um haicai ali.


            salvo a garoa de São Paulo
que um dia, agorinha talvez
se derrame como saliva sobre o tempero de concreto armado
que derruba montanhas inteiras dentro do coração de um parnaso
                                                                                    que grasna
como um passarinho ferido nas asas pelo estilingue das monções
                                                                nada mais dura

dura enquanto durar
         deixo de viver nela, a cidade que desmorona
                                                               ruínas na subepiderme

    mas meu coração é feito de avenidas largas
transversais de saturno e tetas de fenda

de quando abrir a gaveta e visitar esta minha cidade
   dos prédios vermelhos de cigarros e Tokyo
                                                                  constelar
             dividida entre o vidro e o verde
       brecada e recoberta de pula-joças
                                           espero irrepreensível
lantejoulas no meio fio de augusto susto
                                  no mês de antes
                                            setembro marcado
verás um rosto que não tem mais nome de rua
              Iquiririm, cães latinos,
                                           métrica lunar.
Dentro da gente                
    São Paulo é irreconhecível agora
                                       salvo a garoa

5.5.14

de prelo (ainda não)

 Na margem de tudo o que é dito, antes e depois do discurso, há um vão, que se abre entre a epiderme e a embriaguez do que é vulgar e divino, neste buraco escondemos o que nos é mais precioso, é inominável por isso, sem rosto, sem cheiro, sem altura, escorre junto ao phatos, e tem um ar de fôlego que resseca a razão, pende como um escroto pendular entre as pernas de Netuno Negro vendendo Tridents no vagão do metrô da linha vermelha, e pode gerar proles, pode erigir sonhos, lembranças, desejos, tudo aquilo que a gente guarda bem esquecido no canto escuro da casa, como um corpo assassinado, mas que logo começa a cheirar, e antes que todos percebam, estamos lá, remexendo naquilo, tentando encontrar algum lugar seguro para esconder novamente, sem ousar olhar para a coisa, tateamos cegos o que poderia ser nossa salvação, nossa única virtude, a única coisa que podemos olhar a fisionomia e dizer, isso é meu, nosso pecado mais original, a única coisa em que realmente podemos nos fiar e que fazemos questão de esconder no escuro inalcançável de nossos corações...

13.1.14

de Cantando-blues

Esmagado o Azul
                      Esmeralda-flor

                                Cascos de cavalos pisoteando o céu

                                 (As Nuvens não existem
                                                              apenas
                                                                     possíveis
                                                                               transitórios

                 Nenhuma beleza nubla a outra)

                              enquanto isso Zéfiro decanta a vida
                                                 no meu
                                                            fole-tórax